Dor Orofacial

O que é Disfunção Temporomandibular (DTM)?

ATM significa articulação temporomandibular. Essa articulação fica localizada em frente ao ouvido (de cada lado) e é responsável por todos os movimento que você faz com a boca. As doenças dessa articulação e dos músculos que fazem os movimentos da boca são chamadas de disfunção temporomandibulares (DTM). Ela causa sofrimento a milhões de pessoas no mundo todo, diminuindo a qualidade de vida e restringindo o convívio social. Um dos sintomas mais comuns da DTM são as dores de cabeça. Muitos pacientes apresentam esse sintoma e não sabem que ele pode ser causado pela DTM.

Embora atinja milhões de pessoas no mundo inteiro, a DTM é uma doença pouco conhecida. Entre outros fatores, pode ser causada por movimentos desnecessários que fazemos com a boca como: mascar chicletes, roer unhas, morder gelo etc. O bruxismo, o ranger dos dentes que algumas pessoas realizam ao dormir, pode ser um fator contribuinte para a DTM. O Treino para eliminação ou controle desses hábitos, pode ser a chave para o alívio dos sintomas da disfunção.

Segundo estudos recentes, a incidência mundial de DTM é em 5% da população ao ano. Apesar de ser uma incidência baixa, a duração da doença é longa, fazendo com que haja um grande número de pacientes. Uma questão intrigante é que as mulheres em idade fértil são as mais acometidas pela doença, cerca de nove mulheres para cada homem. Atualmente, tem sido observado um aumento dos casos de DTM em adolescentes e crianças.

O paciente com DTM geralmente é um doente crônico que demora anos para buscar tratamento. Como os sintomas são muitos subjetivos e podem estar ligados a outros problemas médicos (depressão, problemas otológicos ou reumatológicos), o dentista, muitas vezes, é o último profissional da saúde a ser procurado.

Alguns dos sintomas mais comuns que o paciente pode apresentar:

  • Dores de cabeça (frequentemente parecidas com enxaquecas);
  • Dor de ouvido ou ao redor, dor e pressão atrás dos olhos;
  • Um ‘clique’ ou sensação de desencaixe ao abrir ou fechar a boca;
  • Dor ao bocejar, ao abrir muito a boca ou ao mastigar;
  • Mndíbulas que "ficam presas", travam ou saem do lugar;
  • Fadiga (cansaço) nos músculos da mastigação;
  • Uma brusca mudança no modo em que os dentes superiores e inferiores se encaixam;
  • Bruxismo (ranger dos dentes);
  • Alguns tipos de zumbido;
  • Dores na cabeça e pescoço, espalhando dor para a face.

Perfil dos pacientes portadores de DTM:

Tanto os homens quanto as mulheres são vítimas de DTM; no entanto, 90% dos que buscam tratamento são mulheres na faixa etária de 15 a 45 anos. Um grande número deles relata uma verdadeira ‘’via sacra’’ à procura de tratamento e, o pior, continua levando uma vida acompanhada de suas dores. No aspecto psicológico observamos algumas características em comum, como: dificuldade em dizer não, delegar tarefas aos outros, dedicar um pouco do tempo para si, ter algum hobby, impor limites aos outros, não se sobrecarregar etc.

Saiba Mais:

O campo de Dor Orofacial está preocupado com a prevenção, avaliação, diagnóstico, tratamento e reabilitação das complicações na região da face, cabeça, rosto, mandíbula, etc... O diagnóstico das síndromes dolorosas orofaciais pode contar com interpretação de dados obtidos na entrevista inicial com o paciente, por meio de resultados de exames laboratoriais, exames de imagem, e avaliações comportamentais, sociais e ocupacionais.

O tratamento envolve cuidados a vários níveis, tais como execução de procedimentos diretos para aliviar a dor, aconselhamentos, orientações comportamentais e para mudança de hábitos, prescrição de medicamentos tópicos ou de ingestão, e encaminhamentos para serviços de reabilitação, fonoaudiologia, fisioterapia, dentre outras terapias.

O importante é proporcionar uma direção de tratamento através de uma equipe interdisciplinar, dividindo os cuidados com outros profissionais de saúde.

Dor orofacial está em evolução e constante mudanças; o âmbito de nossa atuação está ampliando.

Atualmente, a dor orofacial pode englobar:

  • Transtornos da Articulação Temporomandibular (articulação da mandíbula);
  • Dores musculares;
  • Dores neurovasculares;
  • Dores dentárias;
  • Dores neuropáticas (dores fortes e persistentes nos nervos da face);
  • Distúrbios do sono relacionados à dor orofacial;
  • Distonias orofaciais (distúrbios neurológicos dos movimentos caracterizado por contrações involuntárias e espasmos);
  • Dores intrabucais, intracranianas, extracranianas, e doenças sistêmicas que causam dor orofacial.

Vamos investigar melhor?

Referência: American Academy of Orofacial Pain. Available at: www.aaop.org

Accessed August 13, 2015.

Joaçaba:

Rua Francisco Lindner 534, sala 12
Edifício São Francisco - CEP 86900-000
(49) 3522-5435

Capinzal:

Rua Carmelo Zócoli 22, 1º Andar
CEP 89665-000
(49) 3555-2727

© 2013 Francisco Fronza - Todos os direitos reservados.